Faculdade de Ciências
Faculdade de Ciências

   
 
ENCINE - Ensino de Ciências e Inclusão Escolar
Artigos e Publicações - 2010
 

Versão para impressão

Voltar a página de Artigos e Publicações

O ENSINO DE CIÊNCIAS E DEFICIÊNCIA VISUAL:   Uma investigação das percepções da professora de ciências com relação à inclusão
LIPPE, E. M. O , CAMARGO, E.P.
Referência: Anais da X Jornada de Educação Especial: Educação Especial e o uso das tecnologias da informação e comunicações em práticas pedagógicas inclusivas.. Marilia : Oficina Universitária, 2010. v. 1. p. 1-7. 
 

Resumo: A proposta da educação inclusiva do governo estadual baseia-se na adaptação curricular, realizada pela ação de uma equipe multidisciplinar que oferece suporte tanto ao professor da sala comum quanto ao aluno com deficiência, por meio do acompanhamento, do estudo e da pesquisa, de modo a incluí-lo e mantê-lo na rede comum de ensino em todos os seus níveis. Essa proposta está amparada em preceitos que consideram o indivíduo como dependente das relações sociais, a escola se configura como uma das instâncias responsáveis para que isso ocorra, constituindo-se como um espaço de convivência social (SEESP/MEC, 2004). O presente estudo tem como objetivo investigar quais as percepções da professora de ciências com relação à inclusão, mediante a observação da prática docente na presença de alunos inclusos na sala de aula regular. A pesquisa e análise de dados foram realizadas por meio da metodologia de Pesquisa Qualitativa e Análise Textual Discursiva. Os resultados obtidos demonstram a importância da comunicação que deve ocorrer entre a professora de ciências e os alunos com e sem deficiência visual, para que estes possam efetivamente aprender os conteúdos científicos. Nesse sentido, observamos a necessidade de uma efetiva capacitação e formação continuada dos professores da sala regular que possuem alunos com deficiência visual inclusos para poder adequar não somente suas metodologias, mas também para que eles se preocupem em dialogar com os professores especialistas das salas de recursos para utilizarem as salas de recursos não como um reforço acadêmico, mas como um espaço de apoio a estes alunos.
Palavras-chave: Inclusão Educacional. Deficiência Visual. Ensino de Ciências.

INTRODUÇÃO
A atual Política Nacional de Educação Especial que tem como perspectiva educação inclusiva descreve os alunos portadores de necessidades educacionais especiais como os alunos com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação. Hoje em dia, a nomenclatura aceita para o aluno com deficiência é mencionar que ele é aluno deficiente e não utilizar a terminologia necessidade educacional especial, pois se observa que os alunos que não possuem deficiência em qualquer momento de sua vida podem apresentar uma necessidade especial e, portanto, a mais utilizada é aluno com deficiência.
Uma sala de aula inclusiva deve ser embasada nos princípios que consideram que todas as crianças são capazes de aprender e fazer parte da vida escolar e comunitária. Nessa concepção, a diversidade não somente é valorizada, mas também deve ser considerada como um potencializador da união entre os membros de um grupo que favoreça a aprendizagem conjunta de todos os alunos.  
Para Castaman (2006) o contexto escolar deve propiciar a inserção de todos os alunos, seja em ambiente público ou privado, de modo acolhedor, com respeito, e ofertar qualidade de ensino, independentemente da necessidade educacional especial que apresentem.
A visão de Bueno (1999, p.18) a respeito da formação de professores para o atendimento de alunos com deficiência é que:
(...) há de se contar com professores preparados para o trabalho docente que se estribem na perspectiva da diminuição gradativa da exclusão escolar e da qualificação do rendimento do aluno, ao mesmo tempo em que, dentro dessa perspectiva, adquiram conhecimentos e desenvolvem (desenvolvam) práticas específicas necessárias para a absorção de crianças com deficiência.
Levando em conta a demanda existente de estudantes deficientes que estão sendo matriculados na escola comum, reafirmamos o compromisso dos professores com a organização de escolas inclusivas e os desafios postos à sua formação.
Considerando o exposto mencionado acima, Aranha (2004, p.51) afirma que o pensamento dos professores sobre a transição do processo inclusivo no cenário educacional brasileiro, em alguns municípios brasileiros:
Nessa ocasião, os educadores puderam se manifestar com relação à proposta do governo federal bem como quanto às dificuldades que vivenciaram em sua realidade local. A proposta de implementação da educação inclusiva nos sistemas educacionais municipais e estaduais mostrou-se aceita por unanimidade, considerada consistente com a motivação e o interesse dos educadores presentes. Os participantes do encontro desvelaram dificuldades que têm sido encontradas no processo, como a necessidade de programas de formação continuada para professores, formalizadas em cada contexto educacional.
O que a autora observa é factual e nos apóia no entendimento da escassez dos últimos censos escolares relacionados à formação de professor que atuará no atendimento aos alunos com deficiência presentes na sala regular de ensino.
Portanto, a formação de profissionais da educação se constitui em suporte à educação inclusiva e a formação continuada deve ter por base a realidade concreta onde se dão as aprendizagens.
Segundo Saraiva (2008) os professores da sala comum apontam como principais dificuldades para a realização da inclusão escolar a falta de formação especializada e de apoio técnico no trabalho com os alunos incluídos.
Nos debates atuais sobre inclusão, o ensino escolar brasileiro tem diante de si o desafio de encontrar soluções que respondam à questão do acesso e da permanência dos alunos nas instituições educacionais. Algumas escolas públicas e particulares já adotaram ações nessa direção, ao proporem mudanças na sua organização pedagógica e metodológica de modo a reconhecer e valorizar as diferenças, sem discriminar ou segregar os alunos.
Portanto, o presente trabalho objetiva responder a seguinte questão central: dentro da perspectiva da educação inclusiva, quais as percepções que a professora de ciências possui com relação à inclusão dos alunos na sala de aula regular.

METODOLOGIA
O trabalho foi norteado por uma abordagem qualitativa. A escolha pela área de ciências nesse trabalho deu-se em virtude da formação da pesquisadora e do interesse da mesma pela pesquisa na área do ensino de ciências. Já a escolha por estudar deficiência visual ocorreu após contato com os trabalhos do orientador com alunos com deficiência visual, despertando o interesse por observar como se dá a interação na sala de aula regular entre a professora de ciências e os alunos com deficiência visual. Os alunos cegos de nascimento que foram sujeitos da pesquisa são alunos da 8ª série ou 9º ano do Ensino Fundamental
Realizado o mapeamento dos alunos com deficiência matriculados na rede pública de ensino da região de Bauru,  a direção da escola onde a investigação se deu foi contactada para a apresentação de uma breve descrição do trabalho da pesquisa.
 O acompanhamento in loco da exposição da professora deu-se seguindo um roteiro pré-estabelecido que posteriormente de acordo com as observações, foi se modificando para atender as necessidades da pesquisa conforme a realidade da escola, essas observações foram registradas em gravações de áudio e notas de campo, transcritas na íntegra. Posteriormente foi realizada a entrevista com a professora de Ciências, com o objetivo de verificar as suas dificuldades frente à presença do aluno deficiente visual na sala de aula.
Os dados coletados foram analisados segundo as recomendações de Moraes (2003 e 2006). A análise textual discursiva para Moraes (2006), é uma abordagem de análise de dados que transita entre duas formas consagradas de análise na pesquisa qualitativa que são a análise de conteúdo e a análise do discurso.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
Como elucidado no procedimento metodológico a coleta de dados foi dividida em entrevistas e observações de classe. O objetivo da observação da classe da professora de Ciências foi conhecer como os alunos com deficiência visual interagem com os outros alunos que são videntes na sala de aula, e de que forma acontece a interação desses alunos com a professora de ciências.
Apresenta-se uma síntese dos principais resultados abordados da professora:

        1. A questão da acessibilidade à escola foi enfocada pela professora relatando a falta de rampa na escola, a ausência de acessibilidade ao banheiro adaptado, entre outros. Não podemos deixar de pensar na questão da acessibilidade ao currículo, pois ele não foi enfocado pelas professoras analisadas.
        2. Percepção da professora de ciências com relação ao aluno com deficiência: Observa-se que a professora de ciências possui de acordo com as observações realizadas na sala de aula e em algumas conversas extra-entrevista uma percepção clínica da deficiência. Em alguns momentos, ela tenta desfocar do lado clínico da deficiência voltando sua atenção ao pedagógico, mas acaba desorientada focando apenas na família do aluno. Quando a questionamos com relação ao que é deficiência, houve no primeiro momento uma desconversa do assunto. Neste sentido, percebe-se que há ausência de um diálogo entre a professora de ciências e a professora da sala de recursos. Esta poderia orientar e direcionar as estratégias de ensino junto com a professora de ciências, visando adequar suas metodologias de ensino tendo como foco o aluno com deficiência visual na sala de aula.
        3.   Capacitação em serviço descontínua: A professora de ciências possui como único método de ensino, o tradicional, pois apenas passa o visto nos cadernos dos alunos videntes e transmite o conteúdo de forma oral. Durante a observação in loco, não percebemos nenhuma cobrança com relação à entrega das atividades dos alunos com deficiência visual. E nesse sentido em todas as aulas houve correções dos exercícios deixados de tarefa e, aparentemente, não houve preocupação da professora em preparar as atividades em braile para os alunos, visto que nesse caso ela não recorreu ao auxílio da sala de recursos. No HTPC da escola, que deveria ser o local de estudo entre os professores especialista e generalista sobre deficiência visual, observou-se que até o término da coleta de dados, eles não estavam estudando temas relacionados à inclusão. Quando questionada sobre cursos de formação continuada na área da deficiência visual, ela afirma não ter realizado nenhum e que apenas realizou um curso até hoje na área de educação especial na área da deficiência auditiva. .
        4. Utilização das tecnologias assistivas e recursos didáticos à disposição das escolas: A professora mencionou a importância da utilização dos computadores adaptados com os programas de voz (DOSVOX e o VIRTUAL VISION) na sala de aula regular. Esse obstáculo a ser superado pelos alunos com deficiência visual facilitaria não só a parte didático-pedagógica da professora generalista como a professora especialista, evitando que a sala de recursos transforme-se num reforço escolar.
        5. Comunicação entre as professoras de ciências e da sala de recursos: o contato que há entre as professoras mencionadas é superficial, não permitindo, portanto, que elas discutam os conteúdos científicos. Observamos ainda, que os conteúdos científicos que são abordados pela professora de ciências são negligenciados por ela, na medida em que ela não consegue traduzir para o aluno o próprio conceito que está ensinando, pois não utiliza em suas aulas nenhum recurso adaptado presente na sala de recursos para auxiliá-la nessa tradução para eles.
        6. A falta de uso de materiais adaptados na sala de aula acaba sendo prejudicial para os alunos com deficiência visual, pois os mesmos acabam ficando a mercê da explicação oral da professora.
        7. Interação entre o aluno com deficiência visual e a professora de ciências é superficial e não aborda os conteúdos científicos. A professora apenas apresenta os conteúdos aos alunos, porém em momento algum no decorrer das observações ela se preocupa em trazer para a sala de aula recursos adaptados da sala de recursos para os alunos com deficiência visual.

Os professores generalistas, em sua maioria, foram formados numa época em que pouco se falava em Inclusão, ou seja, nas décadas de 60, 70 e 80, no qual os alunos com deficiência estavam presentes nas escolas especiais, que a priori não tinham a função de escolarização, apenas de socialização. Verificamos que alguns professores generalistas prefereriam que os alunos com deficiência estivessem nas classes especiais e não nas salas regulares que já possuem problemas para os professores solucionarem.
A proposta da nova política é a inclusão dos alunos com deficiência em sala de aula regular, entretanto, essas escolas regulares em sua maioria foram construídas nas décadas de 60 e 70, e são escolas com escadas, banheiros pequenos, poucas rampas de acesso, semelhante a escola que foi analisada nesse trabalho. Na leitura das considerações apresentadas por Vygotsky (1997), percebe-se que as posturas adotadas pelo professor em sala de aula irão determinar ou não a aprendizagem do aluno e, conseqüentemente, o seu desenvolvimento. Para o autor, o processo educacional deve possibilitar o estabelecimento de trocas interativas entre os seus personagens e ao professor cabe favorecer formas do aluno acessar o universo dos saberes sistematizados, concedendo grande parte do suporte necessário para a sua participação ativa no contexto sociocultural.
Não podemos deixar de mencionar ainda que houve o atraso da entrega dos materiais em braile nas escolas, ou seja, os materiais referentes ao primeiro bimestre foram chegar as escolas apenas no terceiro bimestre, o que acaba em alguns momentos sobrecarregando as professoras da sala de recursos ao ter que transcrever os materiais em braile e em tinta.
Existem atualmente poucas pesquisas acadêmicas que focam o diálogo entre os professores generalistas e especialistas. Mas é importante destacar que esse diálogo deveria ser constante entre elas, pois encontramos os alunos com deficiência sendo marginalizados e segregados na sala de aula comum, simplesmente pela falta de conhecimento do professor generalista sobre as necessidades dos alunos com deficiência.

CONCLUSÃO
Constatou-se no decorrer das observações das aulas de ciências o despreparo dos professores e do gestor para trabalhar com a diversidade; desconhecimento e falta de estratégias pedagógicas diferenciadas. Um dos grandes desafios da educação brasileira é tornar-se uma educação inclusiva
A dificuldade do professor da educação básica é a falta de preparo/capacitação profissional, falta de infra-estrutura das escolas e escassez de materiais didáticos, bem como do conhecimento de uma forma de avaliação que esteja adaptada às condições dos alunos com deficiências.
Uma outra solução possível na tentativa de incluir o aluno deficiente em sala de aula regular seria o professor trabalhar por projetos em pequenos grupos, isto o auxiliaria a sistematizar a forma como estará analisando o desempenho do aluno em atividades grupais e individuais, atentando-se sempre a reflexão e buscando articular a teoria dos manuais com sua prática efetiva.


Programa de Pós Graduação em Educação para a Ciência, área de concentração Ensino de Ciências da Faculdade de Ciências, campus de Bauru, SP, Brasil da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Grupo de Pesquisa em “Ensino de Ciências”.  E-mail: li_lippe@yahoo.com.br
Endereço: Rua Alto Acre, 9-81. Bauru-SP, Fone: (14) 3222-3353/ 9791-6384
2) Departamento de Física e Química, Faculdade de Engenharia, UNESP, Campus de Ilha Solteira e programa de pós-graduação em Educação para a Ciência (Área de Concentração: Ensino de Ciências) Faculdade de Ciências, UNESP Campus de Bauru.  E-mail: camargoep@dfq.feis.unesp.br

HTPC: Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo

 

   Início da Página

Voltar a página de Artigos e Publicações