Faculdade de Ciências
Faculdade de Ciências
   
 
ENCINE - Ensino de Ciências e Inclusão Escolar
Artigos e Publicações - 2004
 

Versão para impressão

Voltar a página de Artigos e Publicações


Ensino de Física para alunos com deficiência visual: Atividade que aborda a posição de encontro de doismóveis por meio de um problema aberto


*IX EPEF - Encontro de Pesquisa em Ensino de Física, 2004, Jabuticatubas.
ISBN 85-89064-03-4.
Eder Pires de Camargo (a) [camargoep@uol.com.br]
Dirceu da Silva (b) [dirceu@unicamp.br]
(a E b): Universidade Estadual de Campinas (Unicamp): Faculdade de Educação, Rua Bertrand Russel, 801 Cidade Universitária "Zeferino Vaz", CEP: 13083-970
Campinas - São Paulo
Apoio: FAPESP


Resumo:
Apresenta-se neste trabalho, a análise de uma atividade de ensino de Física elaborada e aplicada a alunos com deficiência visual. Sua estrutura se fundamenta na busca de soluções a um problema aberto (possível colisão entre um carro e um trem), e seu desenvolvimento prático se constituiu em dois momentos: No primeiro momento, os alunos por meio de um toca Cd, ouviram a gravação de uma situação problemática que abordava o movimento de um carro e de um trem. No segundo momento, por meio de um debate, os alunos descreveram observações, apresentaram suas diferentes interpretações para a situação problema, e propuseram soluções para a questão contida na referida situação. Tendo em vista a carência de material instrucional próprios para o ensino de Física de alunos com deficiência visual, bem como, a urgência educacional que o referido tema exige, pretende-se que os resultados aqui apresentados contribuam ao ensino de Física de alunos com a citada deficiência.
I. Introdução:
O desafio de ensinar Física a alunos com deficiência visual, surgiu basicamente de três referenciais: (a) A pouca existência de pesquisas, metodologias e materiais dentro do campo do ensino de Física que contemplam as características e atendem as necessidades do aluno com deficiência visual; (b) A vivência como aluno e como professor com deficiência visual; (c) A urgência educacional e social que o referido estudo exige.
Neste contexto, é compreensível que os estudantes com deficiência visual tenham grandes dificuldades com a sistemática do ensino de Física atual, visto que o mesmo, em boa parte fundamenta-se em referenciais funcionais visuais. Apesar dos outros sentidos serem de grande importância para os indivíduos, o sentido visão parece dominar toda e qualquer atividade que se realize no ambiente escolar. Anotações no caderno, textos transcritos na lousa, provas escritas, medições, entre outras, sentenciam o aluno com deficiência visual ao fracasso escolar e à não socialização (Mantoan, 2002).
Assim, que tipo de atitude pode ser adotada a fim de construir uma prática de ensino de Física que contemple as necessidades educacionais dos alunos com deficiência visual? Evidentemente, a resposta a tal questionamento se encontra no rompimento de atitudes e hábitos estabelecidos dentro das práticas educativas, e que se constituíram em modelos de "como se deve dar aula" ou de "como se deve avaliar" (Camargo e Silva, 2003 a).
Portanto, pretende-se com este trabalho, que é parte dos resultados de um projeto de pesquisa em fase de conclusão (Camargo e Silva, 2003 b); sugerir alguns direcionamentos ao ensino de Física a alunos com deficiência visual. Para tanto, será apresentada uma atividade que aborda um problema aberto (posição de encontro de dois móveis), a gravação de um evento sonoro que descreve o movimento de um carro e um trem e uma análise da aplicação dessa atividade a um grupo de alunos com deficiência visual. Entende-se, entretanto, que a atividade e os materiais aqui expostos, não fornecem "fórmulas prontas" ao que se refere à generalização de tal prática, pois são os contextos de sala de aula que indicarão aos seus participantes o "caminho a seguir" (Mantoan, 2002).
II. Alunos participantes da atividade
A atividade aqui apresentada faz parte de um conjunto de cinco atividades elaboradas para o ensino do conceito "aceleração" a alunos cegos ou com baixa visão. O referido conjunto de atividades constitui-se em um curso já aplicado a um grupo de nove alunos deficientes visuais freqüentadores da instituição "Lar Escola Santa Luzia para Cegos", localizada na cidade de Bauru. Dos nove alunos que constituíam o número total de participantes do curso completo, cinco participaram da atividade aqui apresentada. A formação escolar dos discentes variava de ensino fundamental incompleto, até ensino médio completo, passando por ensino fundamental completo e ensino médio incompleto. A idade dos alunos não era menor que 16 anos e nem maior que 35 anos.
III. Metodologia
A abordagem metodológica de pesquisa conhecida como pesquisa quase-experimental (Selltiz et. al. 1987), atendeu às necessidades da pesquisa aqui exposta, em relação à sua efetiva realização, pois, a mesma, trata-se de uma pesquisa qualitativa orientada por um caráter quase-experimental, a julgar pela análise dos efeitos produzidos devido à aplicação de uma atividade de ensino de Física em um grupo de alunos com deficiência visual.
Embora a abordagem metodológica aqui utilizada se aproxime de um modelo quase-experimental, é a qualidade do retorno fornecido pelos alunos devido ao processo que constitui a atividade aplicada, que configura o aspecto mais importante dos dados coletados (Ludke e André, 1986). Como apontam Morales e Moreno (1993): "os trabalhos qualitativos são marcados pela não manipulação de variáveis, pelo uso de procedimentos não padronizados tais como: entrevistas não sistematizadas ou coleta de dados em uma determinada realidade, pelo envolvimento do investigador na pesquisa, pelo não controle de variáveis estranhas ou pelo controle mínimo e pela não utilização de estatística". Portanto, a abordagem qualitativa de pesquisa não compreende um exame de dados numéricos, e sim, a análise de informações coletadas durante o processo à que são submetidos os sujeitos (Morales e Moreno, op. cit.).
Como as informações acerca do fenômeno educativo observado surgiram em um contexto dinâmico de relações, a coleta de informações por meio de gravações sonoras e visuais e anotações feitas pelo pesquisador, revelou o caráter descritivo dos dados coletados, e se mostrou muito útil para sua análise, que possuiu um aspecto nitidamente qualitativo, centrada nas qualidades das falas e dos processos que os alunos apresentaram e foram submetidos. A referida análise encontra-se disponível no tópico (V).
IV. Modelo pedagógico para a elaboração e condução das atividades:
A atividade de ensino de Física aqui apresentada apoia-se em dois componentes práticos: tarefas e debates (Wheatley, 1991), e possui uma estrutura interna que se fundamenta em três elementos de estrutura: Interação com o objeto de estudo, Resolução de problemas e Confronto de modelos (Peres et. al. 1999). Tanto os componentes práticos básicos, quanto os elementos de estrutura, objetivam proporcionar ao discente deficiente visual: condições para observar o fenômeno estudado, condições para elaborar estratégias e hipóteses para a resolução dos problemas propostos, e condições para confrontar as hipóteses elaboradas ao corpo de conhecimento que se dispõe. Na seqüência, apresenta-se a atividade elaborada.
IV.I. A atividade de ensino de Física: Posição de encontro
Objetivo: Apresentar aos alunos, um problema aberto, de referencial observacional auditivo, cujas soluções exijam a análise do fenômeno físico envolvido, a formulação de hipóteses, e a realização de várias tentativas e aproximações. Observa-se que esta proposta didática (atividades abertas) consiste em modificar os enunciados dos problemas retirando deles, os dados numéricos (Sánchez et. al. 1995).
Materiais utilizados: a) Rádio para tocar Cd ou fita. b) A gravação da seguinte situação Problema: Um carro se aproxima de uma ferrovia. O motorista nota por meio do som do apito e das rodas do trem, o movimento do mesmo. Conseguirá o motorista do carro frear o veículo para que não haja colisão? Aqui, gravou-se em primeiro lugar, o som do carro se movendo, em seguida, o som do trem apitando e se movendo, em seguida, novamente o som do carro, depois, outra vez o som do trem apitando e se movendo, e por fim, o som do carro e do trem simultaneamente. Observa-se que a referida gravação foi realizada em um estúdio e faz parte de um Cd que além da referida gravação contém as gravações de textos e questões. Este Cd é parte dos materiais envolvidos para o desenvolvimento do projeto de doutorado em fase de conclusão anteriormente mencionado.
Procedimentos: a) Apresentar aos alunos a gravação da situação problema descrita; b) Proporcionar aos alunos um momento de reflexão sobre a questão do problema; c) Proporcionar um momento para o debate da situação problema em questão.


V. Análise da aplicação da atividade:
Os alunos participantes da atividade descrita serão identificados neste texto pelas letras: (A), (B), (D) (G) e (I). O professor que aplicou as atividades, que é também o pesquisador e primeiro autor deste trabalho, tem deficiência visual. A aplicação da referida atividade levou um tempo aproximado de quarenta minutos divididos da seguinte maneira: 10min para a audição da situação problema; 30min para a discussão por meio de um debate das diferentes interpretações acerca da referida situação, e para generalizações e conclusões. Analisar-se-á na seqüência, os dois momentos da atividade aqui apresentada.


V.I. Análise do momento de audição da situação problema

No início da atividade, o professor ligou o toca Cd na situação problema, e a mesma, sem a questão final foi apresentada aos alunos. Houve a necessidade de se colocar duas vezes a gravação para que os alunos ouvissem com detalhes o evento sonoro. Após a segunda exibição da situação problema, o professor deixou o toca Cd expor a questão que havia sido gravada ao final do evento do carro e do trem, e solicitou aos alunos para que descrevessem o que tinham acabado de ouvir.
Após tal solicitação, iniciou-se um debate que abordou dois aspectos principais: (1) descrições de observações do evento sonoro, e (2) elaborações de hipóteses para as condições que definem uma possível colisão entre o trem e o carro.
Algumas descrições de eventos dos alunos como: "o carro estava saindo, entrando em movimento", "o carro e o trem já estavam em movimento", "pelo ruído eu acho que não haverá colisão", "a velocidade do trem está muito devagar" indicam que os alunos ao ouvirem a gravação da situação problema, começaram a imaginar eventos que relacionavam o movimento do carro e do trem. Esse processo de imaginar possíveis eventos nos quais o carro e o trem poderiam colidir ou não, foi fundamental para a discussão das variáveis físicas que definem a posição de encontro de dois móveis. A análise de tal discussão é apresentada na seqüência.


V.II. Momento de busca de soluções ao problema aberto

Neste momento, por meio de um debate, os alunos descreveram observações, apresentaram suas diferentes interpretações para a situação problema, e propuseram soluções para a questão contida na referida situação. Um "conjunto conceitual" identificado nas relações entre causa e efeito estabelecidas pelos alunos em suas declarações, é explicitado aqui de forma sintética por doze hipóteses. A definição das hipóteses deu-se obedecendo ao seguinte critério:
Em primeiro lugar, após a transcrição na íntegra das falas dos alunos, enumeraram-se todas aquelas relacionadas à discussão do problema: "posição de encontro". Em seguida, as declarações que continham relações de causa e efeito (exemplo: isto ocorre por causa daquilo), foram agrupadas em função de semelhanças conceituais. O conjunto de declarações semelhantes foi generalizado em termos de uma proposição. Uma proposição que também pode ser entendida como a síntese conceitual de várias declarações semelhantes de um ou mais alunos, foi interpretada como sendo uma hipótese utilizada na explicação do referido problema. Na seqüência, apresentam-se as hipóteses identificadas e as declarações dos alunos que justificam uma determinada hipótese. Destaca-se, contudo, que as declarações explicitadas abaixo de cada hipótese, não estão na seqüência que se desenvolveu o debate, pois, como mencionado, elas foram agrupadas de acordo com semelhanças conceituais.
Hipóteses utilizadas pelos alunos para explicar o problema aberto: Posição de encontro
Apresenta-se na seqüência, as hipóteses utilizadas pelos alunos para as explicações do problema da possível colisão entre o carro e o trem. Cabe ressaltar que abaixo de cada hipótese, encontram-se as declarações dos alunos que justificam a mesma.
Hipótese (1): Se os veículos estão se movendo em trajetórias não paralelas, a não ocorrência de colisão depende da distância entre os veículos.
B: Não está dando para perceber a distância do carro ao trem, depende da distância que eles estiverem. Se estiverem longe, ele consegue parar, se estiverem perto não.
Hipótese (2): Se os veículos estão se movendo em trajetórias não paralelas, a não ocorrência de colisão depende da aceleração do carro.
A: Pelo ruído eu acho que não haverá colisão, parece que quando ele chega próximo do trem ele continua com uma aceleração bastante forte.
A: O que vai influenciar é a aceleração, o giro do motor do carro está muito forte.
Hipótese (3): A ocorrência ou não de colisão depende da direção das trajetórias dos veículos.
G: A velocidade do trem está muito devagar, agora será que a direção em que o carro estava indo vai cruzar com a direção do trem?
A: Eu estava conversando com o aluno (B) aqui, e é o que eu digo, a primeira percepção é uma e depois a gente vai criando nossas hipóteses. Uma outra situação possível é eles estarem andando paralelos, ai não tem choque nenhum. No início eu pensei em uma situação perpendicular, mas agora eu vejo que pode ter essa outra.
G: Você veja, na gravação, primeiro a gente ouve o som do carro dando partida, depois do trem dando partida, depois dos dois juntos, contudo a gente não sabe se eles estão andando paralelamente ou não.
Hipótese (4): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende da intensidade da velocidade do carro.
A: Ele estava andando muito tempo ao lado do trem, não é aluno (G)? (chama a atenção do aluno (G)), se eles estivessem perpendicularmente na velocidade que o carro estava, eles batiam.
B: Se o carro estiver em alta velocidade ele não vai conseguir parar!
D: Naquela velocidade do carro, vai bater.
Hipótese (5): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende da intensidade da aceleração do carro, e da distância do carro ao trem.
G: Se ele for cruzar com a aceleração que ele estava eu acredito que o carro conseguiria. Iria depender também da distância dele ao trem, se a distância entre eles fossem de uns 20m, eu acho que ele passa.
G: O trem está indo em linha reta, e o carro vai cruzar a frente do trem (mostra a cena com as mãos). Se o carro estiver a uma distância de uns 20m do trem com a aceleração que o carro está, ele passa na frente do trem.
Hipótese (6): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende das intensidades das velocidades do carro e do trem.
D: Acho que o carro não pode estar muito devagar, o trem é rápido e se o carro estiver muito devagar o trem pega ele.
Hipótese (7): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende da intensidade da velocidade do carro, e da distância que este se encontra do trem.
A: A velocidade do carro é importante, a velocidade e a distância que o carro se encontra do trem.
A: Mas se ele estiver a uma grande distância ele consegue.
I: Mas se a distância for mínima vai bater.
A: Vai ter que fazer uma relação entre distância e velocidade, se você estiver em uma pequena distância você vai ter que estar em uma baixa velocidade, os dois fatores influenciam.
A: Se você estiver em uma pequena distância e baixa velocidade você consegue parar, se a distância for pequena e a velocidade grande você não para, não vai dar tempo para frear, a desaceleração requer um espaço mínimo.
Hipótese (8): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende da intensidade das velocidades dos veículos, e da distância que esses veículos estão do ponto de intersecção de suas trajetórias.
G: Tem que analisar a velocidade do trem e tem que analisar a velocidade do carro, a distância que o carro está da linha de cruzar (ponto de encontro) se ele for cruzar, tem que analisar a velocidade do trem e a distância que ele está da linha de cruzada (ponto de encontro). Essas coisas são necessárias para a gente ter uma idéia se vai ou não haver colisão.
G: Mas você não sabe com clareza a posição deles, a velocidade deles, qual é a resposta certa?
A: Nós (alunos (A) e (B)) estávamos discutindo aqui o seguinte: A gente vai atravessar a rua sem a visão a gente usa o som, a referência sua é som, e até você ter uma noção da distância de segurança para você passar, quem está vendo a pessoa olha e pronto, consegue dimensionar melhor a distância, a velocidade do veículo, para a gente a percepção da velocidade depende se tem mais veículos, já à distância você consegue perceber se está em alta ou baixa velocidade, já o carro silencioso dificulta mais.
Hipótese (9): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende da intensidade do atrito entre os pneus do carro e o asfalto, e da distância entre o carro e o trem.
A: Se estivesse chovendo precisaria de um espaço maior para frear, já que diminui o atrito, o atrito com a chuva se torna menor.
Hipótese (10): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende do peso do trem, porque o peso influencia no tempo de frenagem.

B: Voltando ao problema do trem, eu acho que o peso influencia também no fato dele parar ou não, ele não para fácil, tem que ter uma distância ainda maior, devido ao próprio peso dele.
Hipótese (11): Se os veículos estão se movendo em trajetórias perpendiculares, a não ocorrência de colisão depende da intensidade das velocidades dos veículos, de suas distâncias ao ponto de intersecção de suas trajetórias, e da intensidade do atrito entre os pneus do carro e o asfalto e as rodas do trem e os trilhos.
G: A colisão depende da velocidade do trem, da velocidade do carro, da distância que cada um deles estará da linha de encontro, e dos atritos entre o carro e o chão e o trem e os trilhos.
Hipótese (12): Se os veículos estão se movendo em trajetórias oblíquas, com o ângulo de intersecção pequeno, a ocorrência ou não de colisão depende da dimensão dos veículos, de suas velocidades, e da distância que eles se encontram do ponto de intersecção de suas trajetórias.
G: Ai depende da distância do ponto de encontro da pista com a linha, quem vai chegar primeiro ali.
A: O trem tem que chegar primeiro, ele é grande, o carro tem chance de chegar primeiro e passar, o carro é pequeno, dependendo da velocidade, é claro, sempre entra a história da velocidade, se o carro chegar primeiro numa velocidade alta, ele passa, contudo o trem mesmo chegando primeiro numa velocidade alta, o carro pega, o trem é muito maior, o espaço que ele vai ocupar é muito maior.
G: Isso depende muito da noção do motorista, ele que vai ser o responsável por bater ou não. Dessa forma o motorista tem que analisar a distância, a velocidade que o trem vai indo, para que ele possa controlar a velocidade que ele acha que vai dar para passar ou não.
Sobre as hipóteses apresentadas, cabe a análise: Em relação às variáveis que podem influenciar a não ocorrência de colisão entre o carro e o trem, os alunos destacaram as seguintes: (1) Direção das trajetórias, (2) Velocidade, (3) Aceleração, (4) Dimensão dos veículos, (5) Distância, (6) Atrito e (7) Peso. Na seqüência, serão analisadas as variáveis descritas.
Variável: Direção das trajetórias do carro e do trem. A consideração da referida variável, da um desdobramento duplo ao conjunto de soluções do problema aqui analisado, ou seja, a possibilidade dos veículos estarem se movendo de acordo com trajetórias paralelas, e a possibilidade dos veículos estarem se movendo de acordo com trajetórias não paralelas (oblíquas ou perpendiculares).
O caso da situação na qual os veículos se movimentam de acordo com trajetórias paralelas, representa uma primeira solução à questão da ocorrência ou não de colisão entre o carro e o trem, já que de acordo com a referida situação, carro e trem não podem se encontrar (solução-1). Neste sentido, os alunos (A e G), por meio da hipótese (3), apresentaram a referida solução, e para tal, utilizaram-se do conceito de paralelo, distinguindo-o do de perpendicular, conceitos estes trabalhados em atividades anteriores.
Para o caso dos veículos estarem se movendo de acordo com trajetórias não paralelas como as oblíquas ou as perpendiculares, existe outro desdobramento que enfoca duas soluções para a não ocorrência de colisão entre o carro e o trem. São elas: Uma situação na qual um dos veículos passa primeiro que o outro pelo ponto de intersecção de suas trajetórias (solução-2) (Exemplo: o carro passa primeiro que o trem), (solução apresentada pelos alunos (A, D e G) e uma outra na qual um dos veículos precisa frear, porque o outro se encontra cruzando o ponto de intersecção de suas trajetórias (solução-3) (Exemplo: o carro precisa frear, porque o trem cruza a estrada), (solução apresentada pelos alunos) (A, B, G, e I)).
Em relação à solução que aborda a situação na qual um veículo passa primeiro que o outro pelo ponto de intersecção de suas trajetórias (solução-2), os alunos (A, D e G) destacaram as seguintes variáveis Físicas que podem influenciar a não ocorrência de colisão: Variável: Intensidade da velocidade dos veículos, Variável: Aceleração dos veículos, Variável: Dimensão dos veículos, Variável: Distância dos veículos ao ponto de intersecção de suas trajetórias.
O aluno (A) inicialmente por meio das hipóteses (2 e 4), abordou a influência das variáveis: intensidade da aceleração e das velocidades dos veículos para a não ocorrência de colisão, e posteriormente, o referido aluno, por meio da hipótese (12) considerou a influência para a não ocorrência de colisão, das variáveis: Dimensão e Intensidade da velocidade dos veículos, e distância entre eles.
O aluno (D) por meio das hipóteses (4 e 6) (principalmente por meio da hipótese (6)), abordou a influência da variável: Intensidade das velocidades dos veículos, para a não ocorrência de colisão, sem abordar as variáveis: Aceleração e distância entre eles.
O aluno (G) por sua vez, abordou inicialmente por meio da hipótese (5) a influência das variáveis: Aceleração do carro e distância do carro ao trem, em uma possível colisão entre esses veículos, e posteriormente, utilizando-se da hipótese (12), abordou a influência das variáveis: Dimensão e Intensidade das Velocidades dos veículos, e Distância dos veículos ao ponto de intersecção de suas trajetórias.
Buscando uma síntese, as variáveis consideradas representam para os alunos que as abordaram, as condições para que o carro passe primeiro que o trem pelo ponto de intersecção de suas trajetórias e dessa forma, não colida com ele. Assim, relacionando a solução (2) e as variáveis apresentadas pelos alunos (A, D e G), pode se obter as condições que cada um desses alunos abordou para que o carro passasse primeiro que o trem pelo ponto de intersecção de suas trajetórias. As referidas condições serão apresentadas na seqüência, levando-se em conta uma estrutura decrescente de elaboração, ou seja, da mais para a menos elaborada.
Condição abordada pelo aluno (A): Para que o carro passe primeiro que o trem pelo ponto de intersecção de suas trajetórias, e dessa forma, não colida com ele, é importante se considerar a intensidade da aceleração e das velocidades dos veículos, bem como, suas dimensões e a distância entre eles e o ponto de intersecção de suas trajetórias.
Condição abordada pelo aluno (G): Para que o carro passe primeiro que o trem pelo ponto de intersecção de suas trajetórias, e dessa forma, não colida com ele, é importante se considerar a intensidade das velocidades e as dimensões dos veículos, a intensidade da aceleração do carro, a distância entre eles e o ponto de intersecção de suas trajetórias.
Condição abordada pelo aluno (D): Para que o carro passe primeiro que o trem pelo ponto de intersecção de suas trajetórias, e dessa forma, não colida com ele, é importante se considerar a intensidade das velocidades dos veículos.
Note-se que as condições abordadas pelos alunos (A, D e G) enfocaram variáveis e relações entre variáveis físicas relevantes e determinantes para que um carro consiga cruzar à frente de um trem o ponto de intersecção de suas trajetórias. Contudo, em relação às referidas condições, cabe a seguinte análise:
Para determinar se um carro movendo-se em uma trajetória não paralela à de um trem, cruzará o ponto de intersecção de suas trajetórias sem ser atingido, é fundamental o conhecimento da distância que esses veículos encontram-se do ponto de intersecção de suas trajetórias, e o tempo que eles levarão para chegar e passar por esse ponto, o que torna fundamental o conhecimento da dimensão desses veículos. Entretanto, a determinação da variável Tempo, requer o conhecimento das características dos movimentos do carro e do trem, ou seja, se eles se movem de acordo com um movimento acelerado, ou de acordo com um movimento constante. Se eles se movem de acordo com um movimento acelerado, é fundamental para a determinação da variável Tempo, o conhecimento das velocidades iniciais, das características das acelerações desses veículos (constantes ou não), e de fatores influenciadores para a aceleração como o atrito. Se eles se movem de acordo com um movimento constante, é fundamental para a determinação da variável Tempo, o conhecimento das intensidades das velocidades do carro e do trem.
Neste sentido, observa-se que os alunos (A, e G) apresentaram condições para a solução (2) melhores elaboradas do que o aluno (D), pois, articularam relações entre: distância, dimensão dos veículos, aceleração e velocidade, relações estas fundamentais para se determinar o tempo mínimo necessário para que o carro passasse à frente do trem sem ser atingido por ele, enquanto que o aluno (D) articulou as relações entre as velocidades dos veículos, relações estas que também são necessárias para a referida determinação.
Em relação à solução que aborda a situação na qual um dos veículos precisa frear e parar para que não ocorra colisão (solução-3), os alunos (A, B, G e I) destacaram as seguintes variáveis: Variável: Intensidade da velocidade dos veículos, Variável: Aceleração dos veículos, Variável: Distância dos veículos ao ponto de intersecção de suas trajetórias, Variável: Dimensão dos veículos, Variável: Intensidade dos atritos entre os pneus do carro e o asfalto, e das rodas do trem e os trilhos e Variável: Peso do trem.
O aluno (A) destacou as seguintes variáveis que podem influenciar a não ocorrência de colisão entre o carro e o trem: variáveis: Velocidade do carro e distância entre o carro e o trem (hipótese (7)), variáveis: Intensidade das velocidades dos veículos, e distância que esses veículos estão do ponto de intersecção de suas trajetórias (hipótese (8)), variáveis: Intensidade do atrito entre os pneus do carro e o asfalto, e distância do carro ao trem (hipótese (9)), e as variáveis: Dimensão e velocidade dos veículos, e distância que esses veículos se encontram do ponto de intersecção de suas trajetórias (hipótese (12)).
O aluno (B) por meio da hipótese (1) abordou a variável: Distância entre os veículos, por meio da hipótese (4) abordou a variável: Intensidade da velocidade do carro, e por meio da hipótese (10) abordou a variável: Peso do trem, como fatores influenciadores para a não ocorrência de colisão entre o carro e o trem.
O aluno (G) por sua vez, observou as seguintes variáveis como fatores influenciadores para a não ocorrência de colisão entre o carro e o trem: variáveis: Intensidade das velocidades dos veículos, e distância que esses veículos se encontram do ponto de intersecção de suas trajetórias (hipótese (8)), variáveis: Intensidade das velocidades dos veículos, distância desses veículos ao ponto de intersecção de suas trajetórias e intensidade do atrito entre os pneus do carro e o asfalto e as rodas do trem e os trilhos (hipótese (11)), variáveis: Dimensão e intensidade das velocidades dos veículos, e distância que esses veículos se encontram do ponto de interseção de suas trajetórias (hipótese (12)).
O aluno (I) abordou por meio da hipótese (7) a influência das variáveis: Intensidade da velocidade do carro, e distância do carro ao trem, em uma possível colisão entre esses veículos.
Buscando uma síntese, as variáveis consideradas representam para os alunos que as abordaram, as condições para que o carro ou o trem freie e pare antes do ponto de intersecção de suas trajetórias, e dessa forma, não ocorra a colisão entre eles. Assim, relacionando a solução (3) e as variáveis apresentadas pelos alunos (A, B, G e I), pode se obter as condições que cada um desses alunos abordou para que o carro ou o trem freasse antes do ponto de interseção de suas trajetórias. As referidas condições serão apresentadas na seqüência, levando-se em conta uma estrutura decrescente de elaboração, ou seja, da mais para a menos elaborada.
Condição abordada pelo aluno (G): Para que o carro freie e pare antes do ponto de intersecção de sua trajetória com a do trem, e dessa forma evite sua colisão com ele, é importante se considerar as intensidades das velocidades e as dimensões dos veículos, a distância que esses veículos se encontram do ponto de intersecção de suas trajetórias, e a intensidade do atrito entre os pneus do carro e o asfalto e as rodas do trem e os trilhos.
Condição abordada pelo aluno (A): Para que o carro freie e pare antes do ponto de intersecção de sua trajetória com a do trem, e dessa forma, evite sua colisão com ele, é importante se considerar as intensidades das velocidades e as dimensões do carro e do trem, a distância que esses veículos estão do ponto de interseção de suas trajetórias, e a intensidade do atrito entre os pneus do carro e o asfalto.
Condição abordada pelo aluno (I): Para que o carro freie e pare antes do ponto de intersecção de sua trajetória com a do trem, e dessa forma, evite sua colisão com ele, é importante se considerar a intensidade da velocidade do carro e a distância do carro ao trem.
Condição abordada pelo aluno (B): Para que um dos veículos freie e pare antes do ponto de intersecção de suas trajetórias, e dessa forma evite a colisão entre eles, é importante se considerar a intensidade da velocidade do carro, a distância entre os veículos, e o peso do trem. Obs. Expôs-se a condição do aluno (B) em função da possibilidade dos dois veículos frearem, já que este aluno em suas declarações, apresentou as duas possibilidades para a não ocorrência de colisão.
Note-se que as condições abordadas pelos alunos (A, B, G e I), enfocaram variáveis e relações entre variáveis físicas relevantes e determinantes para que um carro consiga frear e parar antes do ponto de interseção de sua trajetória com a do trem, e dessa forma, não ser atingido por ele. Contudo, em relação às referidas condições, cabe a seguinte análise:
Para determinar se veículos movendo-se de acordo com trajetórias não paralelas conseguirão frear e parar antes do ponto de intersecção de suas trajetórias, é fundamental o conhecimento da distância que esses veículos encontram-se do referido ponto e o tempo que eles levarão para chegar e passar por esse ponto, o que torna indispensável o conhecimento da dimensão desses veículos. Entretanto, a determinação da variável Tempo, requer o conhecimento das características dos movimentos do carro e do trem. Fechando um pouco o problema e considerando que o carro deva parar para que não haja colisão, é fundamental o conhecimento da intensidade de sua velocidade inicial, das características de sua desaceleração (se é constante ou não) e das características do movimento do trem, ou seja, se é um movimento acelerado (com aceleração constante ou não) ou de velocidade constante. Se o movimento do trem for acelerado, é indispensável conhecer o valor de sua velocidade inicial. Além das grandezas consideradas, o atrito também deve ser levado em conta, já que influencia nas condições de desaceleração dos veículos.
De acordo com o que foi discutido, os alunos (G e A) apresentaram nessa seqüência, condições melhores elaboradas em relação às condições dos alunos (I e D) para a solução (3), pois, utilizaram-se e articularam relações entre as variáveis: Distância, Dimensão dos veículos, Intensidade das velocidades, e Atrito, relações fundamentais para a determinação do tempo máximo de frenagem do carro para que não haja colisão. O aluno (I) utilizou-se e articulou as relações entre intensidade da velocidade do carro e distância entre este ao trem, para determinar o tempo máximo de frenagem, e o aluno (B) utilizou-se das mesmas relações, além de considerar a influência do "peso" do trem para o tempo de frenagem do mesmo. Contudo, o "peso" de um objeto, ou mais especificamente sua massa, não influencia em seu tempo de frenagem, e dessa forma a consideração dessa variável por parte do aluno (B) pode representar efeito de suas concepções espontâneas sobre a relação: Massa x Tempo.


VI. Considerações finais:


Abordou-se neste trabalho a análise da aplicação de uma atividade de ensino de Física desenvolvida para alunos com deficiência visual. Conclui-se que a atividade proporcionou aos alunos condições para a realização de um estudo qualitativo da situação problema, e por terem suas idéias valorizadas, os discentes apresentaram várias hipóteses para explicar uma possível colisão entre o carro e o trem, hipóteses estas representadas por três soluções que articulavam variáveis físicas na determinação da referida colisão. Um outro aspecto a ser considerado, refere-se à motivação apresentada pelos alunos durante a realização da atividade. Nesta perspectiva, tanto a atividade, quanto o material gravado, atingiram seus objetivos, ou seja, motivar os alunos para a observação e para o estudo do problema da posição de encontro de dois móveis.
Portanto, a atividade aqui apresentada, foi capaz de motivar os alunos com deficiência visual e proporcionar aos mesmos, condições para que eles: (1) observassem por meio do referencial auditivo um evento sonoro; (2) propusessem e discutissem diferentes soluções possíveis para um problema aberto; (3) Utilizassem e articulassem grandezas Físicas; (4) apresentassem problemas não planejados para discussão; e (5) Expusessem e compartilhassem hipóteses durante as discussões estabelecidas.
VII. Referências bibliográficas:
CAMARGO, E. P. e SILVA, D. (2003 a ): O Ensino De Física, Os Alunos Com Deficiência Visual E Os Parâmetros Curriculares Nacionais: Atas Do V Simpósio Em Filosofia E Ciência, Trabalho e conhecimento: desafios e responsabilidades da ciência. Marília (SP: (CDR)).
CAMARGO, E. P. e SILVA, D. (2003 b ): Trabalhando o conceito de aceleração com alunos com deficiência visual: um estudo de caso, atas do XV SNEF: Simpósio Nacional de Ensino de Física, P. 101, Curitiba, Paraná.
LUDKE, M. E ANDRÉ, M.E.D.A. (1986): Métodos de coletas de dados: observação, entrevista e análise documental: In: Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas; Ed Pedagógica e Universitária LTDA; P. 25-44.MANTOAN, M. T. E. (2002). Ensinando a turma toda as diferenças na escola: Pátio - revista pedagógica, ano V, N. 20, fevereiro/abril, P. 18 -23.
MANTOAN, M. T. E. (2002). Ensinando a turma toda as diferenças na escola: Pátio- revista pedagógica, ano V, N. 20, fevereiro/abril, P.. 18 -23.
MORALES, M. e MORENO, M. (1993).Problema en el uso de los terminos cualitativo/cuantitativo en la investigación educativa. Inestigación en la Escuela, 21: 149-157.
PÉREZ, D. G., ALÍS, J. C., DUMAS-CARRÉ, A., MAS C. F., GALLEGO, R., DUCH, A. G., GONZÁLEZ, E., GUISASOLA, J., MARTÍNEZ-TORREGROSSA, J., CARVALHO, A. M. P., SALINAS, J., TRICÁRIO, H. VALDÉS, P. ¿Puede hablarse de consenso constructivista en la educación científica? Enseñanza de la ciencia, 18 (1), 1999.
SELLTIZ, C., WRIGHTSMAN, L. S., COOK, S. W. (1987): Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais. 2ª ed. V. 1. São Paulo: E. P. U.
SANCHEZ, M. A., PEREZ, D. G., TORREGROSA, J. M. (1995). Actividades de evaluacion coherentes con una propuesta de enseñanza de la fisica y la quimica como investigacion: actividades de autorregulación e interregulación. Revista de la Enseñanza de la Fisica. 8(2): 5-20.

WHEATLEY, G. H. (1991). Constructivist perspectives on Science and Mathematics learning, In: Science Education, 75(1), 9-2. 1.

Voltar ao Início da Página

Voltar a página de Artigos e Publicações